Contrate uma palestra!

e-mail: | formulário de contato

Voltar a página inicial Home     Entre em contato Contato     Telefones: (11) 3075.3040 / (11) 99983.8948
Tom Coelho - Palestras e Treinamentos Tom Coelho - Palestrante
Tom Coelho Palestras e Treinamentos SIPAT e
Setor Público
Educação e Sistema S Artigos e Publicações Clientes e Parceiros Imprensa Responsabilidade Social
Artigos       Livros       Vídeos       Parábolas


Artigos e Publicações

Vale tudo



"Nunca estivemos tão distantes do país
com que um dia sonhamos."

(Celso Furtado)


No placar final da votação pelo afastamento de Renan Calheiros, contabilizamos 40 coniventes, 6 covardes e apenas 35 indivíduos dotados de um mínimo de bom senso.
 
Escondidos sob o véu do anonimato proporcionado pelo voto secreto, os senadores demonstraram seu caráter, aquele conjunto de traços comportamentais e afetivos que, segundo Heráclito de Éfeso, determina o destino. Gosto de definir caráter como aquilo que se faz quando ninguém está olhando.
 
Esqueçam a utopia da “resposta das urnas”. O último pleito conduziu ao Congresso Nacional personalidades como Paulo Maluf, Clodovil Hernandez e Waldemar Costa Neto, destruindo a tese de que há retaliação popular através do voto. A maioria sequer lembra-se dos nomes de quem ajudou a eleger. E o problema não é falta de memória, mas ausência de educação.
 
Renan foi o braço direito de Fernando Collor (PRN) durante as eleições de 1989 e seu líder no Congresso, em 1990. Mais tarde assumiu a pasta da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Ao longo desta trajetória, sempre confrontou o PT de Aloizio Mercadante e Ideli Salvatti, os mesmos a apoiá-lo e inocentá-lo agora. Juan Domingo Perón, ex-presidente argentino, tinha razão: "O poder é como um violino. Toma-se com a esquerda e toca-se com a direita”.
 
Há um preceito jurídico denominado “jurisprudência” que corresponde a uma decisão judicial final tomada pelos tribunais superiores na interpretação das leis. Decisões recorrentes que se tornam fonte de direito, inquestionáveis, norma geral enquanto não houver sobreposição de uma nova lei.
 
Os desmandos que assolam nossa nação estão criando uma espécie de jurisprudência universal. Tudo é defensável, não há mais regras nem exceções. Há apenas a subversão da ordem. Um furto na quitanda é passível de reclusão, enquanto assistimos ao maior desfalque já promovido no setor público.
 
O clamor cívico por justiça é tão retumbante que a decisão do Supremo Tribunal Federal de acatar as denúncias contra os 40 mensaleiros foi vista como um ato de heroísmo, quando deveríamos apenas entendê-la como dever de ofício. Idem, agora, com a Operação Lava-Jato.
  
Então ficamos assim: se eu atirar, foi legítima defesa; se meu imposto de renda estiver incompatível, foi por um lapso no preenchimento; se você me proteger, não contarei o que sei a seu respeito.
 
O problema é que os pobres não têm acesso a bons advogados e a argumentos de defesa lastreados em jurisprudências adequadas.


Data de publicação: 17/09/2007


Tom Coelho é educador, palestrante em temas sobre gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. Contatos: atendimento@tomcoelho.com.br. Visite www.tomcoelho.com.br, www.setevidas.com.br e www.zeroacidente.com.br.




Artigos relacionados

  • O país da corrupção
    A corrupção não está restrita ao cenário político-econômico. Ela está presente em nossa cultura, em ações ilícitas praticadas em busca de benefícios pessoais.
     
  • Brasil doente
    O maior problema de nosso país é a classe política, voltada em sua maioria para interesses próprios, sem qualquer vocação para contribuir com a sociedade.
     
  • Crise de liderança
    A maior de todas as crises atuais é a falta de lideranças, seja no setor público, nas empresas e mesmo no âmbito familiar.
     
  • Feliz 2018!
    Vamos colocar clichês de lado e encarar a realidade: estamos enfrentando uma crise econômica e política que não será revertida em poucos meses.
     
  • Corrupção padrão Fifa
    Está se tornando impossível falar sobre ética, porque não se pode argumentar sobre o que não existe.
     
  • Mundo desigual
    Vivemos em um mundo de desigualdades, no qual 67 pessoas detém o mesmo patrimônio que metade da população mundial.
     
  • Os deveres do poder público
    O poder público tem terceirizado aos cidadãos aquelas que são suas atribuições fundamentais.
     
  • Gestão empresarial em tempos de crise
    Sete passos para impulsionar os negócios em momento de retração da atividade econômica.
     
  • Educação política
    Estadistas para o futuro somente poderão ser forjados em uma nova escola.
     
  • Vergonha da democracia
    O nível dos parlamentares e dos candidatos a cargos eletivos envergonha nosso sistema democrático.
     

Procura de artigos


Categorias


Traduzir / Translate



Ao redor do mundo


Hoje os artigos de Tom Coelho são publicados regularmente por mais de 800 veículos, com divulgação em 17 países: Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Uruguai, Venezuela, Panamá, México, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Inglaterra, França, Itália, Cabo Verde e Japão.

Brasil Argentina Bolívia Chile
Colômbia Uruguai Venezuela Panamá
México Estados Unidos Portugal Espanha
Inglaterra França Itália
Cabo Verde Japão


Clientes

Patrocinadores

ComTexto Promo Press - Gráfica off-set e digital Qualidade em Quadrinhos Siamar - Recursos para treinamento Success Tools - Soluções para você e seu negócio TTI SUCCESS INSIGHTS – Pensou em assessment, pensou na gente TW Latin America - Soluções para internet
tom coelho © 2019 - todos os direitos reservados.

Desenvolvido e
hospedado por
tw Soluções para internet
Servidores dedicados, em nuvem e desenvolvimento
www.tw.com.br